O Projeto TEC

O projeto TEC: Transformar, Empreender e Criar, desenvolvido no âmbito do Programa Operacional da Região Centro – Centro 2020, enquadra-se na Prioridade 3.1 do Eixo 2 referente à Competitividade e Internacionalização da Economia Regional, surgiu da constatação da importância de responder de forma positiva a um conjunto de fatores críticos identificados, dos quais destacamos:

Saiba quando acontece

Para si uma newsletter com as ultimas novidades do site.
Saiba quando e onde acontecem os próximos eventos.
Saiba a próxima atividade

Lembrem-me

Empreendedorismo em Números

O que mudou?

Aumentou a tendência exportadora (10% das ‘startups’ começam a exportar logo no seu primeiro ano de vida)

O número de investidores estrangeiros cresceu (em 2013, 20% das sociedades que participam no capital das novas empresas são estrangeiras)

A taxa de sobrevivência diminuiu (o número de ‘startups’ que sobrevivia ao primeiro ano de vida era de 67% em 2006 a taxa de sobrevivência caiu para 60% em 2013)

A região Norte passou a liderar na criação de empresas

Os setores com maior crescimento no número de empresas criadas alteraram-se (Os setores da agricultura, pecuária, pesca e caça (+16%), telecomunicações (+10%); alojamento e restauração (+4%) são os que registam um maior crescimento médio anual de novas empresas no período de 2007 a 2013)

Mais iniciativas individuais e de menor dimensão (A forma jurídica sociedade unipessoal (apenas um sócio), passou a ser a mais escolhida na constituição de empresas (de 36% em 2007 para 50% em 2014)

Volume de negócios diminuiu

E o que permaneceu inalterado

O tipo de participação no capital das ‘startups’ manteve-se ( a maiori das 'startups’. A esmagadora maioria destas empresas (94%) tem como sócios pessoas singulares (empreendedores), sendo que apenas 6% têm pessoas coletivas (sociedades) no seu capital)

Entidades investidoras em ‘startups’ são em maioria nacionais

Serviços e retalho lideram criação de empresas (Os serviços (27%) e o retalho (17%) são os setores que registam mais nascimentos de empresa)

Num estudo de investigação desenvolvido pelo IFDEP - Instituto para o Fomento e Desenvolvimento do Empreendedorismo em Portugal, em 2014, designado Empreendedorismo Jovem - Um Olhar sobre Portugal, foram analisadas, a partir dos conceitos e propostas de vários autores, um conjunto de competências que se atribuem ao/à empreendedor/a. São elas:

Procura e identificação de oportunidades

Orientação para Resolução de problemas de forma criativa e inovadora

Autoconfiança

Assertividade

Iniciativa

Assunção de riscos calculados

Uso de estratégias de influência

Espírito empreendedor

Apoio

  • 1
  • 2